Chaga do verão

By 00:10 , ,

Fecho a conversa de WhatsApp e bloqueio a tela do celular. Recostada na cabeceira com a coluna ereta, mas o coração torto. Torto de tanto apanhar, moreno. E eu resolvi me poupar disso a partir de agora. A gente já tentou três vezes, e foram três verões daqueles, hein? Prometo não esquecer do pôr do sol refletido nos teus olhos âmbar. Nem dos teus braços fortes ao meu redor ameaçando jogar-me ao mar e de meu único bote ser teu beijo. Eu prometo não esquecer do bronzeado marcado no corpo e na vida, minha pele vai voltar a ser branquinha, mas dentro vão restar manchas. 
Fomos mais do que achamos poder ser, tentamos mais vezes do que achei me permitir, sofri mais vezes do que achei resistir. Olha, se tem uma coisa que descobri é que sou forte mesmo. Ou isso ou meu coração teve um surto de adrenalina, isso é possível? Nem sei. Três vezes é bem mais do que as pessoas se propõe a tentar, a reconstruir, a juntar pedaços. E você juntou meus pedaços mais vezes do que pude contar ao longo dessas três tentativas, mas também, moreno, a gente conserta o que quebra, né? O mínimo que tinha de fazer era recolher meus cacos. Ultimamente eles já nem eram foscos, sabe? Continham aquele brilho furta-cor no reflexo, que mostrava bem como me sentia.
Eu estava em pedaços, rapaz, por sua causa. E, contrariando todos meus instintos, ainda queria que meu torturador passasse merthiolate nas feridas. Por isso meus pedaços brilhavam, eu estava quebrada, mas ansiava por qualquer toque seu, mesmo que fosse para tentar me reconstruir. Reconstruir algo que seria quebrado em seguida, e nunca me enganei em relação a isso, moreno, a gente ia e vinha e eu sempre ficava aqui, perdida em meus cacos a espera de alguém que viesse me ajudar a ajuntá-los, e era sempre você. Todos os verões.
Sempre que o sol tocava minha pele e fazia sentir que os raios da melhor estação despontavam no horizonte, eu sabia que você viria com ele. E que iríamos nos jogar no mar e nesse nosso caso de amor não resolvido. Eu vivia o ano todo, três invernos esperando o verão, e, ao contrário do que todos pensam, não era pelo sol, bem, ou sim, mas meu sol tinha outro nome e me causava outro tipo de calor. E meu ciclo era sempre o mesmo, moreno. Andava por entre as ruas do outono e, conforme as árvores perdiam suas folhas, eu ia perdendo partes de mim pelo caminho. Chorando o que passou, o que ficou, e o que já não era. Porque nós já não éramos.
E por mais que a expectativa de viver um amor de verão todo o ano me consumisse e nutrisse quase por inteira, não era o bastante, e as minhas bordas sem recheio começaram a rachar. E doeu, rapaz, como doeu. A praia que soprava um vento gélido chicoteava meus cabelos no rosto, e a areia em movimento arranhava minhas pernas, só que eu não ligava. Nem pra chuva, nem para os flocos de neve, ou mesmo o florescimento de tudo à chegada da primavera. A única coisa em que conseguia pensar era que a primavera era a véspera de minha estação completa. Da nossa estação.
E só por isso resolvi parar, moreno. Não posso viver a semana aguardando a sexta-feira e sua ligação apressada com ela, não posso passar os dias esperando o fim de semana para poder chorar em paz; passar o mês esperando que ele apenas corra o mais rápido possível, ver as estações como um borrão por esses meus olhos úmidos o tempo todo. Não posso viver deixando que meu sorriso dependa do verão, moreno. Não posso aceitar um bronzeado ambíguo, uma praia incompleta, um relacionamento de estação, rapaz. Porque eu não sou flor para viver nessa de renascer toda a primavera, ou verão. Não, moreno, eu quero, preciso, exijo mais do que uma estação, uma temporada de verão.
 Desculpe, a ligação tá ruim...
 O quê? Morena, mas estamos digitando...

A ligação telefônica continua impecável, moreno, a nossa é que estourou o pacote

— Bruna Barp



OBS: O texto em NADA tem a ver com a vida pessoal da autora. A situação e personagens são apenas fictícios. 



Foto: We heart it

12 comentários

  1. "A ligação telefônica continua impecável, moreno, a nossa é que estourou o pacote."
    Caramba, você ganhou uma fã, hahahaha! Que texto lindo parabéns, seu blog é lindo.

    Xoxo :*
    www.isabelamingues.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Isabela! HAHAHAH muito obrigada! ♥
      Beijinhos da Bru!

      Excluir
  2. Lindo texto, Parabéns!! amei!!
    "Desculpe, a ligação tá ruim...
    O quê? Morena, mas estamos digitando...
    A ligação telefônica continua impecável, moreno, a nossa é que estourou o pacote". <3 <3

    Beijos lindona, sucesso!!

    www.faniaquinoblog.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Fani, muuito obrigada! ♥
      Sucesso pra nós, linda e beijinhos da Bru!

      Excluir
  3. " — Desculpe, a ligação tá ruim...
    — O quê? Morena, mas estamos digitando...

    A ligação telefônica continua impecável, moreno, a nossa é que estourou o pacote. "
    Bruna, teus textos são maravilhosos. Eu não consigo parar de ler,gostaria de um dia poder escrever como tu escreve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Bianka! Fico muito contente que não consiga parar de ler HAHAHAH e muito obrigada pelo elogio! ♥
      Beijinhos da Bru!

      Excluir
  4. Sempre ouvi dizer que á terceira é de vez, se não foi é porque não vale a pena, meu conselho.

    Gostei muito deste texto e já segui para ficar a par das novidades ;)

    xoxo ❤
    Watermelon Clouds

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahah obrigada pelo conselho, Fátima, mas é apenas uma personagem, não aconteceu de verdade.
      Muito obrigada e seja bem-vinda! Beijinhos da Bru!

      Excluir
  5. Reli o texto umas seis vezes, está maravilhoso, moça! E esse final explosivo, ficou ótimo! <3
    Sinto muito por estar sumida, estou tentando ver uma rotina suave pra poder focar mais no teu blog, e em coisas relacionadas a literatura. Mas tenho apresentações esse mês e mês que vem, nenhuma coreografia pronta e limpa, curso de inglês, teatro, é muita arte pra pouca Liz huahuaheuha
    Pretendo voltar a focar em teu blog quando as aulas voltarem e eu voltar (se Deus quiser!) a acordar 5 da manhã com pique de criança ahueheuah
    Pretendo voltar a escrever, mas a inspiração só bate de vez em nunca, e quando tento passar para o papel, não consigo, moça. Pode me ajudar?
    Voltando ao texto: adorei muito! Digno de Bruna Barp ♡
    Inclusive esse final que não canso de ler ayheuhas
    Vou-me indo agora, comemorar o aniversário do meu pai *0*
    Um abraço, moça! Desculpe novamente pelo sumiço, mas estou voltando aheuheuha
    Paz! ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liiiiz! Espero que as 6 leituras tenham te feito bem!
      Tudo bem que esteja sumida desde que tenha dedicado tempo à coisas que nos deixam leves. Acordar 5 da manhã com pique de criança? Uau! Eu não conseguiria(odeio acordar cedo) HAHAH
      Sobre a inspiração: aposte em músicas, em ficar sozinha(isolamento funciona mesmo), ou visitar um lugar novo.
      Sobre o texto: muitíssimo obrigada! ♥ Não canse de ler nunca! HAHAHAH
      Espero que tenha tido um bom aniversário, e parabéns pra ele hah
      Beijinhos da Bru, paz sempre ♥

      Excluir
  6. Que lindo, te acompanho no whatpad agora por aqui, linda esse historia, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fran, muito obrigada e seja bem-vinda! ♥

      Excluir